Melhorando, com tecnologias, a experiência da sala de espera

A experiência de se aguardar por uma consulta médica, mesmo na melhor das clínicas, pode ser muito desagradável, mesmo nos dias de hoje. É que o conceito da sala de espera parece não ter mudado muito na cabeça de arquitetos e de médicos, nas últimas décadas. Tirando a tv de LED na parede e a conexão Wi-Fi disponibilizada (ainda não em todos os consultórios, diga-se de passagem) o velho estilo de dispor revistas ultrapassadas, folhetos de laboratório e plantas desidratadas segue como uma espécie de fórmula consagrada…e ultrapassada. Concebida como local de rápida passagem entre a rua e o cada vez mais sofisticado consultório médico, a sala de espera ainda não é vista como um espaço, muito menos um momento, onde a maneira como se acolhe, se informa e se cuida da situação, diz muito sobre a proposta de tratamento do profissional, suas limitações, enfoques e potencialidades. Dela se ocupam decoradores e arquitetos que nada sabem sobre medicina participativa, e-health, e-patient, medicina 2.0 e coisas do gênero. A pergunta que cabe então é: como podem clínicas e consultórios, em pleno século 21, passarem ao largo desses espaços e não levarem para lá inovações tecnológicas que poderiam representar uma real mudança na “experiência da espera por uma consulta”?

Um comentário

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s